sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Yes, Brazil!






Para ilustrar nosso dia, os desenhos da Mariana Massarani.


Se você me conhece sabe que minha lista de freqüência já foi um campo de celebridades. Houve um semestre que eu tinha, na mesma turma, nada menos que Nixon, Clinton, Kennedy e .... Fidel.

10 comentários:

Beth/Lilás disse...

Ah, fala sério!
O que esa gente tem na cabeça prá botar nome de filho tão esquisito.
Principalmente, sem preconceito, mas vendo e conferindo sempre, são os nordestinos que inventam isso.
Tive uma ajudante lá em Petrópolis que tinha um monte de irmãos lá no interior de Pernambuco e, juro, pelo menos uns 4 com nomes como esses daí.
Alguém pode me explicar por que ocorre isso no Norte-Nordeste?
Muito bizarro! haha
bjs cariocas

............ ............ ............ ............ ............ ............ ... Rodrigo Vieira Ribeiro disse...

Beth/Lilás,

Este é um fenômeno nacional, não apenas privilégio dos nossos parentes do norte-nordeste, nem apenas dos provenientes de lá.

É um fenômeno instituído na classe média brasileira.

Maicons, Kerleys, Harleys, Davidisons, Daversons, e dos nomes misturados entre nome de pai e nome de mãe...

Fenômeno também observado na classe média estadunidense (vide livro "Freakonomics" e um ou dois episódios da série Seinfeld).

Tem origem na necessidade de criar algo diferente e na vontade de homenagear ídolos e parentes queridos, fenômeno já estudado pela sociologia.

Abraços

Beth/Lilás disse...

Oi, Rodrigo!
Mas eu não vejo isso por aqui, não!
Sinceramente quando vejo, são pessoas do N/NE e da classe pobre. Aqui quando vemos são da periferia, sim.
Não sei de onde vc estáfalando, mas se for do Rio, poderá conferir que o que estou falando é a mais pura verdade, sem preconceito, apenas falando o que observo.
Deve ser isso mesmo que vc disse: "Tem origem na necessidade de criar algo diferente e na vontade de homenagear ídolos e parentes queridos", mas que é esquisito, isso é mesmo!
Espero que não tenha me levado a mal no comentário, mas expressei minha mais pura observação do caso.
abraço carioca

Andréia disse...

Lilás e Rodrigo,
Essa história toda merece uma olhada, né? A gente que já viveu essa coisa de escolher o nome do filho fica pensando no que que isso representa. Afinal o que que é um nome? A gente olha pro sujeito (nos dias de hoje na tela do ultrassom) e projeta um bocado de coisas: expectativas sociais, desejos de pai e mãe, necessidade de homenagens, sei lá mais o quê. E o sujeito vai carregando pro resto da vida.
Já ouvi uma antropóloga falando que isso de inventar nomes não rola só por aqui, não. Ela dizia que, em países que não tem nomes verdadeiramente autóctones a coisa acaba desandando pra um liberou-geral. Nos Estados Unidos também é assim. Parece que em Portugal há um limite para o que pode (mas liberam no sobrenome, apelido por lá)
No Brasil, de um modo geral, quanto maior a classe social, parece que há uma maior tendência de simplificação. Mas a americanização rola até com os globais, não é? O que dizer de Kayky Brito, Sthephany e Kawã Reynolds?
Bj

Beth/Lilás disse...

Tem razão, Andréia!
Meu nome mesmo, sei que foi dado pela influência da visita da rainha Elizabeth da Inglaterra ao nosso país nos anos 50. Ainda bem era um nome, mas estes daí, são tão estranhos que você mesma os colocou aqui pela tamanha insensatez que passam.
abraço carioca

Beth/Lilás disse...

Ah, e prá não dizerem que sou bairrista, aqui pelas minhas bandas também tem uns nomes esquisitos, tipo:
Maycom, Uóshiton, Veruska, Ijuci e outros mais que vou pesquisar por aqui também.
bjs

Gabi disse...

Olá Andréia!

Sou aluna do Rodrigo, e assim como vocês, eu gosto muito dessa grande rede de relacionamentos, a INTERNET.

O meu blog, é sobre o Movimento Escoteiro, o qual eu participo há 17 anos.
Adorei seu blog, sempre venho visitá-lo e morro de rir das histórias que você posta de seus "anjinhos" . Rsrsrs...

Depois se tiver um tempinho, passa lá no meu! Rsrs..

T+!

Gabi

Carol Costa disse...

Andréia, de-zes-se-te de outubro? Cadê atualização? Essas blogueiras atarefadas, tsk, tsk...

:o)

Andréia Maia disse...

Carol querida,
Não sei se vc já passou por isso. Sabe o que aconteceu? Não consegui postar por excesso de idéias, pode? Muito e pouco são, mesmo, vizinhos rsrsrsrs
Já, já me organizo.
Muito bom vc por aqui.
Bj

Andréia disse...

Gabi, Obrigada. Volte mais vezes. Muito legal seu blog.
Bj